Buscar

Wellington Amâncio

Compartilhe:
Quem é Wellington Amâncio ? Professor, fotógrafo, escritor e músico; mestre em Ecologia Humana e Gestão Socioambiental pela UNEB; especialista em Ensino de Filosofia (UCAM); graduado em Pedagogia e em Filosofia (UNEB).
Contos delmirenses — Um passarinho com mau-olhado
Foto: Ariel S. Guimarães

Oferto este conto ao nobre Barbeirinho, o especialista da Barbearia Tesoura de Ouro e ao barbeiro Manuel Cesário, um dos primeiros barbeiros delmirenses.

*Conto inspirado numa das histórias de José Amancio, Dedé

O barbeiro corta o cabelo de um moço, mas seus ouvidos estão atentos ao cantarolar esmerado do seu coleirinha, que pula dentro da gaiola enfeitada. Há alpiste e água limpa em compartimentos novos de plástico, mesmo assim, reconheço, está longe de tornar-se um paraíso. A barbearia é pequena e agradável. Na parede vejo fotos de gente bonita da novela. Num banco alongado, desses de pau, acomodam-se dois senhores esperando a sua vez. Eu, sentado ali, percebo que o cantar do passarinho disputa com o ruído agudo da tesoura e o burburinho da rua, lá fora.

Em poucos minutos, um senhor estranho nos aparece à porta. Ele tira o chapéu de feltro e põe sobre o peito. Talvez ele tenha uns sessenta anos, mas, ao olhar e ouvir o coleirinha, seus olhos parecem rejuvenescer. Em seguida, ele nos observa desconfiado.

— Boa tarde, meus amigos. A quem pertence esse passarinho cantador?

Num gesto rápido, o barbeiro interrompe o corte de cabelo, cruza os braços e o encara:

— Sou eu mesmo, o dono. — diz, bastante aborrecido — Não vendo nem troco. Digo logo.

— É que eu ia te ofertar um bom dinheiro... — Insiste o senhor estranho contraindo seu chapéu de feltro escuro com as duas mãos.

— Não vendo nem troco! — rebate o barbeiro e o encara mais uma vez.

— Olhe, se senhor quiser eu pago 300 cruzeiros. Mais da metade do meu salário.

Neste momento, olhamos todos em silêncio para o barbeiro. 

— Homem, eu já disse que não! Eu fico nervoso quando alguém insiste no meu coleirinha! Eu não vendo, não. Obrigado pela oferta, mas eu não vou vender.

O senhor estranho põe seu chapéu de feltro na cabeça e pigarreia sem nos encarar. Retira-se em silêncio, cabisbaixo, mas, ainda assim dá uma olhava firme para o coleirinha. Em seguida, ouço apenas seus pigarros pausados, que diminuem conforme se afasta para longe de nós, descendo pela rua.

O barbeiro acalma-se e uma paz resplandece em seus olhos. Já não está ofegante. Ele retoma o corte de cabelo do moço, como se nada houvesse acontecido. Nós todos, porém, discutimos brevemente o acontecido. O barbeiro parece nos ouvir. Na verdade, agora ouve-se apenas o arranhar agudo e pequeno da tesoura sobre a cabeleira do moço. Assombrado, eu suspeito o pior. Rapidamente dirigimos nossos olhares ao coleirinha e vemos uma cena que jamais esqueceremos — dentro da gaiola enfeitada, coitado, como um bichinho empanado, o coleirinha estava teso e de cabeça para baixo, agarrado ao pau central da gaiola. Ele estava petrificado e muito pequeno, como uma bola que esvazia-se. Vi que seus olhos estavam opacos. A cena nos entristecia muito.

O barbeiro põe as mãos na cabeça, e eu pude notar seus olhos cheios de lágrimas.

— Meu coleirinha, oh, Santa Mãe! — ele bradou —. Aquele homem lançou mal olhado sobre o meu bichinho...

Os dois senhores sentados arregalavam os olhos com as mãos na cabeça. Mas, lembrei-me de que poderia haver um remédio para aquele mal. Eu estava razoavelmente certo disso.

À porta, ajuntaram-se quatro ou cinco jovens curiosos.

O coleirinha petrificado jazia de cabeça para baixo. O barbeiro choroso abriu a portinha da gaiola e quis pegar o passarinho, mas desistiu do gesto.

— Conheço um homem que pode resolver essa tragédia! — exclamei com segurança.

— Me diga quem é, por favor, homem! — disse o barbeiro enxugando um fio lacrimoso que escorria do canto do olho.

— Suba ali, alguém, à Rua Tiradentes. Lá mora um senhor, numa casinha pintada de azul, depois do Bar. É conhecido por Seu João Rezador. Todo mundo sabe onde é.

Um jovem dos que estavam à porta disse: “Eu sei quem é Seu João Rezador!... Pode deixar que eu vou lá chamá-lo!”. E saiu-se não dizendo mais nada; apressou os passos, eu vi, subindo à rua (corria tanto que os pés batiam na bunda).

Quase dez minutos depois, chega-nos Seu João Rezador. Ofegante e suado, a camisa de chita aberta e um rosário azul e comprido no peito. Ele traz na mão três pequenos ramos verdes de vassourinha. De imediato aproxima-se da gaiola, e em gestos de mão, tange os ramos para cima, para baixo e para os lados; cochicha discretamente ao ouvido do coleirinha semimorto: “shioushual, sfishuaaa, shiusuáuu, saaanta, sim, deusducéu, ceussiá, shuaiashoiu, shauashuans, amém...”.

O coleirinha inflar-se e estremecem-se as asas, como se tomado de um forte arrepio. Se ergue vivaz e instantaneamente a cantoria recomeça. Parece que até a manhã torna-se mais iluminada.

— Oxente, barbeiro... olha aí o teu coleirinha cantando novamente!

— Estou vendo, meu amigo! Graças a Deus!

O barbeiro infla os pulmões, admirado. Paralisado de felicidade, está a tesoura aberta e sua mão direita erguida acima do ombro. Imediatamente vai até a gaiola e a retira do gancho, fica por ali, fazendo um bico com os lábios, imitando o chilrear do coleirinha.

Seu João Rezador quebra os ramos de vassourinha, joga-os no lixeiro e em seguida aprecia a beleza do passarinho. "Entende a paz que o bichinho inocente traz” — eu pensei.

Acho que em virtude da emoção, ao contemplarmos o passarinho cantando, vivaz, não percebemos aberta a portinha da gaiola, e, antes que avisássemos ao barbeiro, coitado, absorto com o milagre, o coleirinha, num belo salto, pulou para fora e voou para bem longe, até amiudar-se todo naquele azul imenso de céu.

Postada em 21/01/2021 21:39 | Atualizada em 14/02/2021 18:33
10 Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
CAPTCHA

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

O site Correio Notícia - Portal de Notícias do Sertão de Alagoas não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.
Veja mais de Wellington Amâncio

1

Social

Prefeita Jeane Moura participa de reunião com Comissão Intersetorial do Selo Unicef

2

violência contra a mulher

Homem agride mulher e foge, mas é encontrado e preso em Mata Grande

3

DISCÓRDIA

Mãe e filho são levados para delegacia após discutirem e trocarem socos em Piranhas

4

RÁPIDO

Motocicleta é roubada enquanto dono colocava saco de cimento em casa em Delmiro Gouveia

5

ELEIÇÕES 2022

Lula diz que está conversando com Alckmin sobre chapa para 2022

6

SUSTO

Ao sair de plantão, delegado da PC perde o controle do carro e sofre acidente em Coruripe

1

Educação

Avança Escola 10 chega a Piranhas comprovando melhorias na Educação Pública Estadual

2

ESCÂNDALO

Sinteal denuncia que escolas ofertam caldo de charque como merenda em São José da Tapera

3

Antônio Melo

Podcast: a milagrosa cura da Covid no Sertão de Alagoas

1

Durante operação

Suspeito na morte de radialista morre em confronto com policiais em Olho D’água das Flores

2

Operação Marmota

Operação prende quadrilha de traficantes e homicidas que agia em Olho D’água das Flores

3

Violência

Discussão durante bebedeira em bar termina com homem atingido com tiros em Inhapi

4

Violência

Homem com passagem pela polícia é assassinado com vários tiros em Delmiro Gouveia

5

Em Sergipe

Caminhoneiro de Pão de Açúcar sofre acidente após ataque de abelhas dentro de caminhão

6

ESCÂNDALO

Sinteal denuncia que escolas ofertam caldo de charque como merenda em São José da Tapera