Buscar

Editorias

Compartilhe:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Decisões políticas comprometem o judiciário
Por Luiz Carlos Borges da Silveira*
Foto: Divulgação

A Justiça é corretamente tida como o último recurso do cidadão individualmente e das instituições em geral. Portanto, é igualmente correto esperar-se decisões justas baseadas nos princípios jurídicos, nas provas e no conteúdo dos autos para que o resultado produzido seja efetivamente o mais isento e imparcial possível, ou seja, uma decisão justa. Não é aceitável que sentenças sejam prolatadas sob efeito de ilações e de outros princípios.

Infelizmente, ultimamente temos visto nos tribunais superiores desfechos não condizentes. Mais especificamente, nos processos que envolvem a política as decisões têm sido notoriamente com viés político, o que é errado e perigoso. As sentenças devem ser definidas de forma superior, sem outras preocupações, especialmente quanto a possíveis efeitos ou desdobramentos que eventualmente possam provocar. Se assim não for a justiça não será justa, terá desviado seu objetivo.

Exponho aqui pelo menos três exemplos recentes evidenciando decisões políticas adotadas em processos de elevada importância no cenário nacional:

Na votação do impeachment de Dilma Rousseff, em sessão do Congresso Nacional presidida pelo ministro Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), este se valeu de acordo de entendimento para adotar resolução claramente política ao cassar o mandato e não suspender os direitos políticos da presidente. Lembremos que no idêntico processo sofrido por Fernando Collor, mesmo ele havendo renunciado ao mandato a pena da inelegibilidade foi aplicada.

Posteriormente, o então presidente do Senado, Renan Calheiros, descumpriu determinações do STF e não sofreu a mínima admoestação, quando se sabe que o não acatamento de ordem judicial pode resultar até em prisão imediata. O judiciário fez vista grossa para não criar problemas políticos.

E no julgamento da chapa Dilma-Temer, o TSE protagonizou pelo seu presidente uma solução essencialmente política. Em seu decisivo voto o ministro Gilmar Mendes deixou claro que seu posicionamento baseou-se não no processo em si, mas na preocupação com a situação do país. Expressamente, o presidente do Tribunal frisou: “Não se substitui um presidente da República a toda hora”, e mais adiante disse: “E preferível pagar o preço de um governo ruim e mal escolhido do que uma instabilidade no sistema”.

É até compreensível o cuidado com a estabilidade política e institucional, porém, este não deve ser o escopo central de um julgamento. Por isso, entende-se que a Justiça não pode e não deve ser aplicada mediante subterfúgios ou critérios pessoais do julgador para não estabelecer perigoso precedente capaz de afetar a credibilidade na elevada missão do judiciário quando da apreciação de processos das mais distintas naturezas. Pode inferir que os fins alcançados pelo delito venham eventualmente a justificar os meios, além de gerar sofismas sobre as próprias decisões.

Quando a opinião pública passa a constatar desvios de foco do judiciário fica propensa a desconfiar da sua eficácia e de sua isenção, fato evidentemente negativo, porque é essencial que se resguarde a Justiça como elementar garantia ao cidadão e aos preceitos institucionais. É fundamental que o judiciário tome seus cuidados. Até porque as decisões das altas cortes produzem acórdãos, súmulas e jurisprudência seguidos pelas demais instâncias.

*É empresário, médico e professor. Foi Ministro da Saúde e Deputado Federal.

Postada em 24/01/2018 22:52
Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
CAPTCHA
Veja mais de Artigos

1

Na br-312

Acidente com caminhonete carregada com frutas por pouco não termina em tragédia no Sertão

2

Por 2 a 1

Cruz vence Dom Pedro II e abre vantagem para chegar à final do Campeonato Delmirense

3

Capturado

Acusado de espancar e matar esposa gestante com panela de pressão é preso em Alagoas

4

À queima-roupa

Homem com passagem pela polícia por tráfico de drogas é assassinado com vários tiros

5

Forte declaração

“Ele deu dez facadas em minha filha”, diz mãe de vítima de atentado em Delmiro Gouveia

6

Casa caiu

Jovem é preso pela Rádio Patrulha em Santana do Ipanema ao ser flagrado com moto roubada

1

Operação Cavalo de Troia

Identificados os onze suspeitos de roubo a banco mortos em confronto com policiais

2

Fruto de roubo a banco

Mais de R$ 100 mil são recuperados em casa onde onze morreram em confronto com policiais

3

Operação Cavalo de Troia

Onze suspeitos de assalto a bancos morrem em confronto com policiais no Sertão de Alagoas

4

Por infrações

Secretário de Obras de São José da Tapera é autuado em mais de R$ 42 mil durante FPI

5

Onze mortos

Polícia Civil nomeia comissão para apurar troca de tiros em Santana do Ipanema

6

Defesa do meio ambiente

Piracema: FPI flagra pesca irregular em Pão de Açúcar e orienta pescadores

1

Operação Cavalo de Troia

Identificados os onze suspeitos de roubo a banco mortos em confronto com policiais

2

Operação Cavalo de Troia

Onze suspeitos de assalto a bancos morrem em confronto com policiais no Sertão de Alagoas

3

Violência

Recém liberado da cadeia, jovem é assassinado com tiros na cabeça em Senador Rui Palmeira

4

Fatalidade

Colisão frontal entre moto e carro resulta na morte de jovem entre Mata Grande e Inhapi

5

Ação rápida

Suspeitos de matar homem próximo de igreja em Senador Rui Palmeira são presos em operação

6

Fruto de roubo a banco

Mais de R$ 100 mil são recuperados em casa onde onze morreram em confronto com policiais