Buscar

Notícias

Compartilhe:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.

Senadores criticam a PEC dos Precatórios e contabilizam mais de 30 votos contrários
Pelo menos seis partidos já se manifestaram contra a versão aprovada pelos deputados
Por Jovem Pan
Proposta deve ser votada na CCJ no final do mês de novembro - Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

 O governo Bolsonaro não terá vida fácil para aprovar a PEC dos Precatórios no Senado. Parlamentares ouvidos pela Jovem Pan afirmam que a matéria só terá os votos necessários para ser aprovada se o texto da Câmara dos Deputados for alterado pelo líder governista na Casa, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), relator da proposta, que adia o pagamento de dívidas da União reconhecidas pela Justiça, altera a regra do teto de gastos e garante a viabilização do Auxílio Brasil. Por se tratar de uma emenda à Constituição, o Palácio do Planalto precisa do apoio de 49 parlamentares em duas votações. Lideranças, porém, estimam que pelo menos 31 senadores são contrários ao projeto, que será analisado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) antes de seguir para votação no plenário.

Pelo menos seis partidos, que somam 29 senadores, já se manifestaram contra a proposta: PT (6), Podemos (9), PDT (3), Rede (2), PSDB (6) e Cidadania (3). Os dois primeiros fecharam questão contra a PEC. Na Câmara, cerca de 70% da bancada tucana votou com o governo Bolsonaro, mesmo após a cúpula do partido ter declarado oposição ao presidente da República. Em nota, o presidente nacional da sigla, Bruno Araújo, afirmou que “o PSDB no Senado será nossa trincheira na defesa de programas de transferência de renda que não gerem inflação”. “O PSDB não vai abrir mão do princípio da responsabilidade fiscal. Não vamos aprovar nada que possa gerar mais inflação. Não adianta insistir. Dá até para melhorar a proposta, porque R$ 400 não é mais nada, atualmente. O gás está R$ 100, R$ 8 o litro da gasolina, óleo, arroz, tudo caríssimo. Discordamos da fonte para custear o Auxílio Brasil. O texto será diferente, o Senado não é um cartório que só carimba as coisas”, disse o líder do partido na Casa, Izalci Lucas (DF).

“O texto da Câmara leva o país para um desastre fiscal irreversível. Temos que atuar com muita seriedade. Não há necessidade de furar o teto de gastos e dar calote para se pagar um bom Auxílio Brasil. A proposta do senador Oriovisto, do nosso partido, foi elaborada com técnicos do IFI [Instituto Fiscal Independente do Senado], com técnicos do Senado, assegura o pagamento dos precatórios sem furar o teto e sem dar calote em ninguém”, afirmou à reportagem o senador Alvaro Dias (Podemos-PR), líder da sigla na Casa. A senadora Zenaide Maia, do PROS, também é contra a PEC. “Estamos mudando a Constituição para acabar com o Bolsa Família, que nunca teve prazo, nem é auxílio emergencial. Era uma situação social que a gente já não tem mais, assim como não tem o Renda Brasil, como foi proposto originalmente. Estamos assistindo a uma mudança na Constituição para passar um calote nos que apelaram até a última instância para conseguir aquilo a que têm direito por lei”, disse na sessão da quarta-feira, 10.

O MDB, dono da maior bancada do Senado, ainda não definiu seu posicionamento sobre a proposta, mas há uma divisão interna. A ala governista, formada pelos senadores Fernando Bezerra Coelho (PE), Eduardo Gomes (TO), líder do governo no Congresso, e Márcio Bittar (AC), deve votar a favor do texto. O senador Renan Calheiros (AL), por sua vez, é contra a PEC. “O Brasil não pode nem deve dar um calote astronômico em Estados, municípios e professores para financiar a obsessão de Bolsonaro em acabar com o Bolsa Família e criar um programa fake, só pra chamar de seu. A PEC dos Precatórios é um atentado contra o presente e o futuro do país”, escreveu em seu perfil no Twitter. Entre os emedebistas, há quem defenda que os senadores diminuam a folga fiscal de R$ 91,6 bilhões aberta com a PEC em ano eleitoral – para bancar o pagamento de R$ 400 do Auxílio Brasil, o Ministério da Economia estima que precisará de R$ 50 bilhões.

Postada em 13/11/2021 17:29
Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
CAPTCHA
Veja mais de Política

1

BATE BOCA

PEC dos combustíveis: Bolsonaro nega que haverá “atrito” com estados

2

ELEIÇÕES 2022

Rodrigo Maia vai coordenar o programa de governo de João Doria para as eleições

3

PREOCUPANTE

IBGE detecta aumento de oito centímetros no nível do mar no Brasil

4

MAIS CAROS

Seca e chuva aumentam custos no campo e devem pressionar inflação dos alimentos

5

ENTRETENIMENTO

Rachel Sheherazade vence ação trabalhista contra Silvio Santos e o SBT

6

Acidente

Batida entre caminhonete e moto deixa mulher gravemente ferida em Delmiro Gouveia

1

Fatalidade

Batida entre moto e caçamba resulta na morte de uma pessoa em Delmiro Gouveia

2

Acidente

Motociclista morto em batida com caçamba em Delmiro era policial militar de Minas Gerais

3

Investigação

Identificado suposto condutor de caçamba envolvida em acidente que matou policial mineiro

4

CRESCIMENTO

Governador assina convênio para construção do Centro de Convenções de Delmiro Gouveia

5

Vacina antirrábica

Delmiro Gouveia vai iniciar castração de animais de rua em fevereiro

6

Em Flagrante

Homem é preso em flagrante suspeito de tentativa de estupro de vulnerável em Mata Grande

1

Na AL-140

Batida entre motos resulta na morte de uma pessoa e deixa outras duas feridas em Inhapi

2

Violência

Ocupantes de carro matam homem com vários tiros após pedirem água na casa dele em Inhapi

3

Violência

Homem invade chácara e atira contra duas pessoas durante festa de batizado em Inhapi

4

Investigação

Identificado suposto condutor de caçamba envolvida em acidente que matou policial mineiro

5

Na AL-145

Homem morre depois de perder controle de moto e colidir com árvore em Água Branca

6

Curva do S

Homem fica gravemente ferido após sobrar em curva e bater em árvore em Água Branca